segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

À meia-noite

Que sejam estes os nossos desejos.

Te Deum laudamus: te Dominum confitemur.
Te aeternum Patrem omnis terra veneratur.
Tibi omnes Angeli; tibi caeli et universae Potestates;
Tibi Cherubim et Seraphim incessabili voce proclamant:
Sanctus, Sanctus, Sanctus, Dominus Deus Sabaoth.
Pleni sunt caeli et terra maiestatis gloriae tuae.

Te gloriosus Apostolorum chorus,
Te Prophetarum laudabilis numerus,
Te Martyrum candidatus laudat exercitus.
Te per orbem terrarum sancta confitetur Ecclesia, Patrem immensae maiestatis:

Venerandum tuum verum et unicum Filium;
Sanctum quoque Paraclitum Spiritum.

Tu Rex gloriae, Christe.
Tu Patris sempiternus es Filius.
Tu ad liberandum suscepturus hominem,
non horruisti Virginis uterum.

Tu, devicto mortis aculeo,
aperuisti credentibus regna caelorum.
Tu ad dexteram Dei sedes, in gloria Patris.
Iudex crederis esse venturus.

Te ergo quaesumus, tuis famulis subveni:
quos pretioso sanguine redemisti.
Aeterna fac cum sanctis tuis in gloria numerari.

Salvum fac populum tuum, Domine, et benedic hereditati tuae.
Et rege eos, et extolle illos usque in aeternum.
Per singulos dies benedicimus te;
Et laudamus Nomen tuum in saeculum, et in saeculum saeculi.
Dignare, Domine, die isto sine peccato nos custodire.
Miserere nostri Domine,
miserere nostri.
Fiat misericordia tua, Domine, super nos,
quemadmodum speravimus in te.
In te, Domine, speravi: non confundar in aeternum
Bom 2013!

STATE OF MIND


Tu. Escreves tanto. Escreves porque sim e escreves porque não. Escreves para me mostrar que não tenho razão. Não tenho pois não? Escreves para orientar. E consegues. Escreves quando me levanto e escreves ao fim da tarde. Escreves a des-horas. Escreves uma palavra, às vezes duas. E chega. Escreves longos discursos. E não chega. Escreves na minha mesa de trabalho. Com a minha caneta-herdada-aos-18. Escreves para me mostrar que a caneta não é minha. Nunca foi. Escreves uma, duas vezes. Às vezes, três. Escreves em dias de chuva. Escreves no fogo da lareira. Escreves nas nuvens e escreves no mar. Escreves onde calhar. Onde calhar. Escreves no Outono e no Inverno. Escreves nas histórias de Verão.

Escreves para sempre. E escreves desde sempre. Escreves para mim, para eles. Quem são eles? Escreves nos primeiros segundos do meu dia e escreves enquanto durmo. Escreves como num jogo, um puzzle. Queres que encaixe as peças, mas são mais de 2500. Escreves na minha alma. Escreves com tanta calma. Escreves ontem. Escreves à bocado. Escreveste amanhã. Escreves porque sim e escreves porque não. Para me mostrar que até tinha razão. Escreves para passar o ano. Escreves todo um novo ano. Bom ano!

Escreves de mil formas. Cartões de Natal, mensagens, cartas. Escreves através da música. Escreves naquele filme. Escreves através deles. Quem são eles? Escreves no trânsito, escreves no metro. Escreves para aquele grupo de amigos. Escreves naquele sem-abrigo. Escreves na miúda que cruzou a passadeira. Escreves na pausa para um cigarro. Escreves para lhe arrancar uma gargalhada. Daquelas bem altas, que chocam os mais contidos.

Escreves para o fazer pensar. Escreves para a fazer parar. E olhar para este ano incrível que passou. E preparar para entrar no melhor ano desta vida. Porquê o melhor? Porque o passado já lá vai e 2014 não é nosso. Este é. Começa à meia-noite. Escreves com o dedo. Escreves com pincél. Escreves com a forma de olhar. Escreves para me fazer acalmar - os vários cavalos que deixo à solta durante o dia. Escreves para aumentar o meu acreditar. Sai uma dose de fé para a mesa 6.

E às vezes não escreves. E obrigas-me a um tão grande jogo de cintura para interpretar o porquê dessa pausa para virar a página.

Desta vez sei. Passas da página 2012 para a 2013.

Obrigada por este capítulo que acaba hoje!

É Natal!

Embora o Menino já tenha nascido, não podia deixar de partilhar convosco esta ecografia tão gira! =)
E uma vez que a época de Natal só acaba no dia de Reis, desejo-vos um Feliz Natal a todos!

Inspiração?


Parabéns ao HEart: para um 2013 melhor!

Queridos amigos do HEart!
Como alguns sabem, outros não, mas este projecto HEart faz um ano que nasceu yeahhhh!
Estão todos de parabéns, as nossas escritoras, que por uma conversa com uma pessoa maluca como eu, aceitaram embarcar nisto (OBRIGADA!), mas sobretudo os nossos leitores, que nos têm dado feedbacks, que nos tem ajudado a crescer e melhorar! E por fim, obrigada à inspiração, essa senhora inspiração que actua numas mais do que em outras, que vem de repente, que por vezes não nos deixa dormir enquanto não escrevemos o tal texto, que aparece nos lugares mais improváveis, que apanha o metro connosco... ai a inspiração.
Foi nas férias de Natal do ano passado que umas amigas decidiram criar uma série de postais virtuais para trazer de novo o verdadeiro espírito de Natal [em tempos de crise] vejam aqui neste blog: CHRISTMAS HEart!
Acontece que a aderência às mensagens foram tais que decidimos trazer um pouco desse espírito para o novo ano 2013! Bem sabemos que estamos em crise, que o nosso PM quer que emigramos ou que o Euro já não é o que era... mas nós, portugueses, somos pessoas de alma grande, país de poetas, descobridores e artistas....
Porque não pedir mais neste 2013?
Porque não sermos mais exigentes connosco mesmo?
Afinal o Amor é exigente, e as coisas boas nunca são fáceis.
Sabemos que este período é uma época difícil  mas já ultrapassamos muitas crises e já navegamos em mares desconhecidos, será que 2013 tem que ser diferente?
Vamos aproveitar a crise para crescer, não só no PIB, mas na qualidade do tempo que passamos em família  nas palavras carinhosas que dizemos aos outros, vamos trocar as mensagens e os mails pelas cartas de amor, vamos andar mais de bicicleta e ir à Gulbenkian ao domingo porque não se paga..... Tempo de crise é tempo de mudança!
Bom 2013!
TODOS OS POSTAIS VIRTUAIS PARA O ANO 2013 ESTÃO DISPONÍVEIS NO NOSSO FACEBOOK AQUI: http://www.facebook.com/heartculturaevoluntariado
PARTILHA COM OS TEUS AMIGOS!





















domingo, 30 de dezembro de 2012

Ano Novo!!


Queridos leitores,

Andei um pouco desaparecida nestes dias e peço-vos desculpa por ter deixado o blogue tão parado, da minha parte. Com o Natal e o tempo em família foi-me difícil estar presente na Internet.
Enfim...
Desejo a todos um bom ano novo. Em breve escreverei um post dedicado ao ano novo e àquele que passou.
Um beijinho

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

2013 está mesmo à porta...


E pronto, é isto, o meu desejo para 2013 é que todos sejam melhores pessoas, melhores seres humanos. Bom ano para todos, umas excelentes entradas, um ano com muitas alegrias, e muita força para viver as tristezas!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O Mundo não acabou. E agora?



Passam 12 horas sobre o dia 21/12/2012 e, por enquanto, nada.
O que me faz pensar que o ser humano é realmente fascinante. Nos últimos dias temos assistido a uma onda de histeria colectiva, crente de que o mundo tinha dia e hora certa para acabar.
E portanto, era de se ouvir "antes que o mundo acabe, farei isto e aquilo", "já que o mundo vai acabar, vou aproveitar  para viver a vida ao máximo", como se o Fim desculpasse todas as extravagâncias, e pior, como se o fim só existisse porque os Maias tinham dado um dead ending bastante concreto.

A todos, uma novidade: vamos morrer.
Os Maias optaram neste ponto pela surpresa, e decidiram não revelar a hora de cada um de nós, mas o fim virá de qualquer das maneiras, e para saber isso basta uma simples observação empírica: acontece a todos.
E julgo que aqui está o cerne da questão: a percepção de que o ser humano, numa sociedade em que nos achamos dotados de super-capacidades, tem limites que não consegue controlar.
Mais ainda: todo este desespero resulta da constatação no íntimo de que o Homem foi criado para a Eternidade e que a morte é um acidente que vai contra a própria natureza humana original.
Esta incompreensão, aliada ao desconhecimento do que virá a seguir - o homem não gosta de se lançar ao mistério, preferindo viver a achar que controla o tempo e o espaço - torna este desespero compreensível.

Muitas são as profecias do Apocalipse. Maias, Nostradamus, S. João. Em comum, todas elas apontam para sinais naturais e comportamentais antes do dito fim, grandes catástrofes (ouvi há dias que o Gangnam Style era um destes sinais. Ou catástrofes), seguidas do estabelecimento de uma nova ordem mundial, de uma Parusia, de uma paz entre todos os povos e de um reencontro do Homem consigo próprio.

Eu já escolhi a minha via escatológica. Por isso, dispenso saber quando é o fim (temporário), porque, de qualquer maneira, estou preparada.
Nesta via, não há lugar para medos, temores, nem desespero por viver a vida ao máximo nos últimos dias, porque aqui vive-se assim sempre.
E aqui, viver ao máximo não é apanágio de fazer todas as asneiras porque já não sofreremos as consequências. Não. É ser tanto mais livre, quanto mais se escolher o bem.
É rejeitar sempre o mal. E ter a certeza de que o que virá a seguir será sempre melhor.

Por isso, o que fazer se o mundo não acabar hoje?
A Sabedoria Antiga dá-nos uma resposta, e podemos começar a ouvi-la agora:

"Vigiai, pois não sabeis nem o dia nem a hora"



Angus and Julia Stone


Não é Hotel Costes mas também não é Café del Mar.
É. Muito. Bom.

Humildade.

Vejam este filme- é extraordinário. Mesmo.
É uma lição de humildade.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Onde estava Deus?




Mike Huckabee responde à pergunta que tem sido feita durante esta última semana em relação ao tiroteio de Newtown!

23 gramas

40 anos de gravidade.
E a receita para nos mantermos miúdos, já agora.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Por falar em Natal...

Natal de quem? 
 
Mulheres atarefadas

Tratam do bacalhau,

Do peru, das rabanadas.

- Não esqueças o colorau,
O azeite e o bolo-rei !

- Está bem, eu sei !

- E as garrafas de vinho ?

- Já vão a caminho !

- Oh mãe, estou pr'a ver

Que prendas vou ter.

Que prendas terei ?

- Não sei, não sei...

Num qualquer lado,

Esquecido, abandonado,

O Deus-Menino

Murmura baixinho:

- Então e Eu,

Toda a gente Me esqueceu ?

Senta-se a família

À volta da mesa.

Não há sinal da cruz,

Nem oração ou reza.

Tilintam copos e talheres.

Crianças, homens e mulheres

Em eufórico ambiente.

Lá fora tão frio,

Cá dentro tão quente !

Algures esquecido,

Ouve-se Jesus dorido :

- Então e Eu,

Toda a gente Me esqueceu ?

Rasgam-se embrulhos,

Admiram-se as prendas,

Aumentam os barulhos

Com mais oferendas.

Amontoam-se sacos e papeis

Sem regras nem leis.

E Cristo Menino

A fazer beicinho :

- Então e Eu,

Toda a gente Me esqueceu ?

O sono está a chegar.

Tantos restos por mesa e chão !

Cada um vai transportar

Bem-estar no coração.

A noite vai terminar

E o Menino, quase a chorar:

- Então e Eu,

Toda a gente Me esqueceu ?

Foi a festa do Meu Natal

E, do princípio ao fim,

Quem se lembrou de Mim ?

Não tive tecto nem afecto !

Em tudo, tudo, eu medito

E pergunto no fechar da luz :

- Foi este o Natal de Jesus ?!!!

(João Coelho dos Santos - in Lágrima do Mar - 1996)

On the streets of.. London baby






Copyright © 2005 - 2012 The Sartorialist

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Postais de Natal

 
Infelizmente temos vindo a perder o hábito de enviar postais de Natal. Lembro-me bem quando era miúda, muita gente trocava assim as Boas Festas. Sinceramente penso que é uma pena perder-se o hábito de enviar postais de Natal. E porquê?
 
1. É sempre bom saber que alguém se lembrou de nós, da nossa família, e que "perdeu" tempo conosco escrevendo um postal.
2. Geralmente os postais de Natal embelezam a nossa casa, o nosso presépio, a nossa árvore, e a maior parte das famílias tem para eles um local especial.
3. São quase sempre personalizados, o que nos torna mais próximos da/s pessoa/s que o escreveu, estreitando os laços já existentes e fortificando-os.
4. Mesmo sendo um postal mais "formal" com um agradecimento, ou reconhecimento, alegra o nosso dia, alegra o nosso Natal!
 
Bom, como este ano ainda não recebi nenhum postal de Natal "personalizado" (via ctt!) partilho convosco umas Boas Festas originais que chegaram hoje ao meu e.mail. Embora não "personalizadas" gostei :) E achei original, claro.
 
 
 

De dona-de-casa para dona-de-casa

Housewives que acompanham este blog, estão a ver os frascos de polpa de tomate que ao fim de 3 dias no frigorífico, sem mais nem porquê, ficam com bolôr??


Pois bem, aprendi um truque maravilhoso para que isto não aconteça:

Sempre que se utilizar a polpa de tomate, antes de fechar o frasco, deitar um pouco de azeite lá para dentro e um pouco também na tampa.
É certo que com o frio do frigorífico vai ficar com aspecto esverdeado pouco atraente, mas a verdade é que o bolôr...ADEUS!